Melhor e feito! – Os caminhos para a eficiência

“É fácil pensar. Difícil é agir. O mais difícil é agir como se pensa.” (Johann Wolfgang)

 

Vou iniciar a história com um conflito corporativo, dois lados de um ambiente, rapidamente perceptíveis no mercado de trabalho: Pensamentos contemporâneos de um lado, tradicionalismo de outro. Jovens versus experientes, chefes versus colaboradores, inovadores versus conservadores, pessoas versus pessoas. Coloco esta questão pois é necessário entender problemas deste cenário primeiramente antes de qualquer posicionamento sobre como agir. Agora, uma pergunta: abraçar o lado contemporâneo é a melhor forma de agir?

Temos dois slogans famosos que são precursores deste movimento e demonstram muito o que são esses pensamentos atuais, inovadores: “Think Different” (1997), da Apple, que é desafiar o status quo, o famoso “pensar fora da caixa” e “Just do it” (1988), da Nike, que é o acredite nisso e faça mesmo, não fique com medo, enfrente!

Com esses dois slogans acredito que descrevo pensamentos e atitudes de muitos dos novos colaboradores no mercado. Obviamente me baseei muito nestes conceitos assim que entrei no meu primeiro cargo, só que, claro, aprendi que não é bem assim. Isso porque apesar de serem dois pensamentos bem disseminados em corporações de destaque, a maioria das empresas e gestores estão enraizados em pensamentos corporativos tradicionais, com uma tendência a não considerar ideias e mudanças que possam vir ou não a melhorar variados aspectos da empresa, seja por estratégia, falta de tempo ou simplesmente pelo ego.

Mas esses dois pensamentos estão certos e levarão qualquer empresa ao sucesso? Penso que não. Levantemos os seguintes fatores:

O “Think different” (Apple) incentiva a sempre pensar diferente, porém nem sempre pensar ou fazer diferente é fazer melhor.

O “Just do it” (Nike) diz para fazermos o que acreditamos, porém fazer sem pensar é acreditar muito na sorte, e nisso é risco alto. Assumir riscos altos muitas vezes é uma má estratégia, certo?

Completando, pensar e não fazer é se entristecer no futuro (Porque alguém vai pensar a mesma coisa e vai fazer, e há chances de que essa pessoa vá se dar bem). As brigas do ambiente de Startups nos provam isso de forma relevante.

Com esses raciocínios colocados, talvez uma teoria melhor seria uma brincadeira de mesclar os dois: Think and do it! (Pense e faça!). Ou seja, a ação ideal é o “Melhor e feito”, seja ela diferente ou não.

Claro, você deve estar pensando que essa habilidade de identificar e resolver problemas com eficiência é bem rara no mercado de trabalho…

Para simplificar mais, vamos basear essa teoria na palavra EFICIÊNCIA, e é a partir dela que gostaria de contar o que aprendi até aqui sobre isso.

Primeiramente vamos definir a palavra eficiência. Eficiência é fazer da melhor forma, é ter capricho, é fazer o melhor que você pode fazer, com as ferramentas que estão disponíveis no momento. Eficiência é diferente de eficácia. Eficácia é apenas concluir tarefas.

Por que preciso disso? Porque hoje o mais eficiente sobrevive!

Se você pensou em Darwin, que a seleção da existência é dada pelas melhores adaptações às condições, essa é uma boa relação. Para o mundo corporativo, hoje, o sucesso é para quem se move mais rápido, com mais eficiência.

A eficiência na adaptação vai além de apenas uma boa visão e planejamento, pois existe também o controle, e controlar é essencial. Controlar é ajustar o planejamento às mudanças, conforme elas ocorrem. Isso faz seu planejamento sempre ficar atualizado e evita que você foque em um caminho que está muito tortuoso ou já nem existe mais.

É nisso que tento me basear, pensando e fazendo todos os dias: Dedicação à eficiência – Muito, o tempo todo!

Por quê? Porque pessoas eficientes fazem as coisas acontecerem, deixam sua marca, resolvem problemas. Pessoas eficientes aspiram excelência na vida, e isso é honrável.

Aprendi até o momento que, para ser eficiente, preciso me focar em alguns “caminhos“. Escolhi a palavra caminhos pois eles são infinitos e não são regras, são pensamentos que norteiam atualmente minhas ações.

O caminho número 1 é: Incômodo positivo.

Você não pode estar em conforto. A saída da zona de conforto, comodismo, do “estado menor” é dada obviamente com muito esforço, e sempre me motivo usando duas características: Conhecimento e boa vontade.

empreendedorismo digital

Conhecimento para prover inteligência, que, pessoalmente, meço com a capacidade de responder aos porquês, de planejar para agir, de saber o que deve ser feito. Conhecimento, portanto, não significa ser formado ou ter milhares de certificados. Faculdade não é pré-

requisito para o sucesso, mas dedicação ao conhecimento sim. Conhecimento não é só técnico, é macro-visão, é enxergar as coisas conectadas e saber o que fazer a respeito de cada uma delas.

A boa vontade a que me refiro não é só vontade, é estar disposto a fazer “para o bem”, e esta é a única condição em que você pode exagerar: é a única condição existente, que em excesso, só tende a ser positiva. Ética lhe provém boa vontade, boa vontade é agir em prol da ética.

Cuidado com o incômodo negativo! Ele é aquele tipo de incômodo em que você sente a necessidade de mudança, porém só fica reclamando de como as coisas estão ruins. Com ele, você discute problemas ao invés de soluções.

 

O caminho de número 2 é: Dedicação.

Quem fez de forma tradicional e obteve sucesso se esforçou e lutou muito, antes e durante. Quem fez de forma diferente e obteve sucesso tlvez tenha se esforçado mais ainda, pois abriu caminhos nunca antes percorridos, em que errou muito, sofreu dores e até preconceito.

“Ahhh…O Mark Zuckerberg largou a faculdade e é dono do Facebook”

Lembre-se de que ele largou Harvard. Ele certamente se dedicou e estudou muito, entrou, sobreviveu 3 anos – novamente – estudando muito e ainda teve tempo para seu projeto paralelo porque tinha uma ideia legal. Portanto, ele não conquistou tudo “porque largou a faculdade”.

“Só não consegue o objetivo quem acredita que as coisas são fáceis.” (Sílvio Santos)

Caminho 3: Controlar Expectativas.

Ter pensamento eficiente é saber de uma coisa importante: Não existe plena satisfação pessoal-profissional. Ou seja, não imagine um teto onde quer chegar, porque quando você chegar lá, isso, apesar de ser legal, não vai ser o suficiente. É por isso que pensar sempre em melhorar e obter mais eficiência exclui esse ciclo vicioso, pois você já sabe que não existe teto. Porém, não existe uma maneira de controlarmos nossos sonhos com extrema precisão. O mais adequado portanto, é sonhar bem alto, deixar suas visões para o futuro em um patamar de pessoas que fizeram diferença no mundo. Além de sonhar bem alto, é imprescindível ter controles reais e alcançáveis no meio do caminho, com os quais você possa “medir” seu potencial de eficiência.

Saber controlar as expectativas também é saber que a complexidade da vida pra te derrubar é tão grande, que, mesmo com tantos planejamentos e pensamentos que podem te levar longe, ela vai te golpear e desafiar o tempo todo. Muitas vezes, o ambiente negativo é assassino de nossos sonhos.

 

E isso nos leva ao caminho de número 4: Buscar Maturidade.

O ambiente de negatividade, em que algo está dando errado e seu psicológico está afetado é ruim, claro. Porém, é o melhor ambiente para se aprender e evoluir de forma assustadora. Esse é o “buraco de minhoca” que te faz amadurecer cem, mil anos. Então, quando essa situação aparecer, saiba que é a melhor hora de você concentrar forças e novamente se dedicar na resolução dos problemas. Ninguém evolui quando o ambiente está todo favorável. Para esse conceito, é importante lembrar que felicidade é uma condição momentânea, não um destino final.

Mais do que isso, acredito que é na dor que você aprende mesmo, o que você está fazendo tem que fazer diferença na sua vida, se você não obtiver sucesso, você vai fracassar muito e inclusive deixar de ter necessidades básicas. Isso ajuda a se movimentar em momentos difíceis e a chegar ao status de superação.

Triste todo mundo vai estar em vários momentos, a diferença é que eu prefiro estar triste e ter realizado muitas coisas que quis, do que estar triste e não ter feito nada que considero relevante na vida.

“Maturidade tem mais a ver com os tipos experiências que se teve e o que você aprendeu com elas, do que quantos aniversários você celebrou.” (William Shakespeare)

Caminho de número 5: Descanso.

Apesar do pensamento inteligente e ação estarem presentes na sua vida pelo menos “8 horas por dia” (no trabalho), saiba que sua máquina, seu corpo, não foi feita pra essa carga toda. Nossa potência de agir, aquele tesão que temos em fazer as coisas com certeza está longe de durar todo esse tempo diariamente. Segundo Josh Kaufman, atualmente vivemos experiências que determinam atualizações de desempenho constante, ou seja, como um Software novo, atualizado em um Hardware antigo, seu corpo. Isso porque, primordialmente, nós humanos apenas fazíamos coisas nos movimentando e agora temos que fazer muita coisa, com a mesma potência, sentados. Não evoluímos o suficiente para isso, por isso é normal se sentir cansado e não entusiasmado em vários momentos. O controle diário de seguir o planejamento, mesmo com essas influências do seu corpo, é importante, por isso, é de extrema necessidade saber descansar. Isso é uma manifestação de inteligência também. Além do básico de dormir horas suficientes para repor as energias, faça algo que te desfoque completamente da “área trabalho” da sua vida. No meu caso, assistir um filme/ série bem acompanhado, churrasco com amigos e festivais de música eletrônica são aliados efetivos.

Por último, o caminho de número 6: Trabalhar com pessoas eficientes.

Pessoas eficientes, inteligentes, muitas vezes melhores do que você. Essas pessoas são autossuficientes, podem ser lideradas, mas não tem chefe. Você não diz a elas o que tem que fazer, elas aprendem a fazer e otimizam isso o tempo todo. Você não gerencia nem corrige o trabalho delas, você no máximo ajuda a otimizar. Elas são extremamente raras mas existem, e são feitas de carne e osso também (inclusive se alimentam e fazem xixi).

É importante saber que essas pessoas não são de fácil relacionamento, portanto sua capacidade de gestão de pessoas tem que estar afiada.

sucesso empreendedorismo

 

Em conclusão, quando você segue caminhos norteadores para ser eficiente você vai ter complexidade de raciocínio e ação elevados. Portanto, existe uma Regra (Sim, uma regra): Quando for apresentar ideias às outras pessoas, a complexidade tem que se dissipar e sua mensagem tem que se resumir à simplicidade. Os termos tem que ser simples, palpáveis, fáceis de “pegar”. Cada pessoa está buscando a sua vida e seus motivos próprios e não tem muito tempo em ver o que você tem de “Eficiente” (Até então entre aspas). Existe uma lei chamada Lei de Gall, que diz que todos os sistemas complexos são decorrentes de sistemas mais simples. Na hora de executar, execute o complexo, na hora de explicar para alguém ou para um público, explique simples.

O marketing que funciona é aquele que deixa de lado suas sofisticações corporativas e técnicas para se traduzir no conceito mais vivo e humano possível, aquele de discurso básico de sentimentos, amor e ódio, que movimentam o aspecto emocional das pessoas.

Não adianta dar uma de gênio incompreendido, pois isso é mais um tipo de incômodo negativo.

 

Perceba que se você não entendeu nada do texto até aqui, eu não segui minha própria regra do simples…!

 

Pensando e agindo com eficiência, você pode ser chefe, pode ser funcionário, sócio, autônomo, o que você quiser. A essência é que você terá mais chances de alcançar o sucesso, de criar novas soluções para outras pessoas, de deixar sua marca.

Para fechar, gostaria de deixar minha definição do que acho que sucesso significa:

 

Sucesso é deixar a sua marca, de forma positiva, no mundo de outras pessoas.

 

 

rafael Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *